Como alguns devem saber, a Disney lançará agora em 2009 o filme “The Princess and the Frog”, baseado no conto de fadas alemão Der Froschkönig oder der eiserne Heinrich (ou Príncipe Sapo, já que eu não falo alemão), que vai se passar na versão “disneyana” em Nova Orleans e vai ter pela primeira vez na história do estúdio uma princesa negra (embora hoje se considere mais bonito falar afro-descendente). É a primeira vez desde 2004 que a Disney lança uma animação 2D.

Eu li algumas vezes por aí pessoas reclamando da falta que fazia uma princesa negra na Disney (a ultima vez que li isso veio de Angelina Jolie), e de fato, pra um estúdio sediado nos EUA, onde existe uma grande população negra, é estranho… Mas dando uma olhada no passado do estúdio, houve sim princesas que não fossem brancas (embora também não fossem negras). Vou listar as princesas da Disney que surgiram a partir de Ariel de A Pequena Sereia (porquê com o surgimento do movimento feminista, mudança do papel da mulher na sociedade, alinhamento interplanetário e outros fatos de fundo místico, as princesas por tabelas se tornaram interessantes… Não acredita? A Bela Adormecida era tão sem sal que apareceu menos de 18 minutos no próprio filme se ignorar as cenas que mostram sua infância!) E claro, também é uma época mais interessante para se falar disso em relação à condição racial nos EUA.

Ariel (A Pequena Sereia – 1989)

Baseada no conto dinamarquês, mas com um final bem menos trágico, a sereia ruivinha era abusada, ousada, curiosa e corajosa. Filha do Rei Netuno, queria se casar com um príncipe humano e etc. Pela primeira vez na Disney, uma protagonista forte!

Belle (A Bela e a Fera – 1991)

Já esta, baseada no famoso conto francês era uma mulher inteligente e instruída, alem de ter as outras características que uma boa princesa da Disney pós-feminismo deve ter (corajosa, curiosa, etc).

Jasmine (Aladdin – 1992)

Já a princesa da animação baseada no famoso conto das Mil e uma noites é árabe… Não que ela tenha escolha, afinal, o conto se passa na Arábia e a Disney foi fiel a isto. Temos então uma outra protagonista (co-protagonista no caso) forte, e pela primeira vez, ela não é branca.

Pocahontas (Pocahontas – 1995)

E depois de uma heroína árabe temos… Uma heroína índia! A primeira coisa que devemos saber é: Pocahontas não é um personagem, ela existiu de verdade (e tinha só 13 anos quando tudo aconteceu… Já John Smith, seu par romântico, devia ter lá pelos seus 40… Mas não parece tão bonito assim né?).

Mulan (Mulan – 1998 )

Esta não só é uma protagonista forte como é literalmente uma guerreira que luta com espadas e tudo. Apesar de não ser princesa no conto original (nem no filme por sinal), Mulan é considerada uma das Princesas da Disney adicionando assim, uma chinesa à lista.

Kida (Atlantis – 2001)

Certo… Na verdade, a poderosa princesa Kido não pertence a nenhum grupo racial existente (uma pena por sinal, tenho a impressão que uma mulher com as características dela seria bastante bonita), ela ainda é um ponto interessante como representação das mulheres feita pelo estúdio.

Tiana (The Princess and the Frog – 2009)

Chegamos então à Tiana, que eu não sei como é porquê o filme não foi lançado, mas que vai ser a primeira princesa negra do estúdio (e a segunda princesa norte-americana se formos considerar a Pocahontas). Algo que se pode adiantar é que ela é bastante bonita e que o proprio filme pelas imagens que já foram divulgadas, promete ser visualmente muito interessante. Abaixo, o teaser! 😉

A escolha do nome anterior Maddy e o fato dela começar a história sendo uma empregada causou controvérsia, tendo pessoas falaram que era uma escolha racista… Eu pessoalmente acho isso meio idiota, afinal, ainda me lembro da Cinderella… Mas tanto faz, a Disney já mudou isto de qualquer forma. Temos então uma princesa árabe, uma índia, uma chinesa e agora uma negra.

Obs.: E reparem, que junto com o aumento da importância do papel das mulheres nos filmes da Disney e da diminuição de sua passividade, também houve um aumento na sensualidade das personagens. 😉

Anúncios