Nintendo


Continuando o tópico anterior!

Jogo: Tales of Phantasia

Empresa: Namco

Ano: 1995

Em um passado não muito distante, quatro guerreiros se juntaram para derrotar e selar um poderoso mal que tentou destruir o mundo. Anos depois, estes heróis são caçados e mortos por alguém que quer este mal livre novamente, e seus filhos entrarão em uma jornada que envolverá viagens no tempo e a busca por criaturas que os ajudem nesta batalha!

Este vai ser o único RPG sobre o qual vou falar desta vez que não tem dedo da Square… Obviamente devem existir vários jogos igualmente interessantes para o velho SNES, mas eu não vou me atrever a falar sobre o que não joguei, não é? Neste jogo, você controla três heróis do presente dentro (da historia do jogo): Cless, o protagonista espadachim; Chester, o arqueiro e seu melhor amigo e Mint, a protagonista clériga; e incorpora mais dois heróis do passado: Klarth, o invocador e adulto responsável do grupo; e por fim, Arche, a poderosa bruxa (que anda voando em uma vassoura!). Agora, tem três coisas que tornam este jogo de fato fantástico considerando que foi lançado para o SNES: Os gráficos são maravilhosos, detalhados e cheios de animações… Com reflexos na água, pássaros voando no fundo do campo de batalha e as magias são impressionantes! Depois disto, temos o som: A música de abertura (pasmem) é cantada! Sim, com voz e tudo! As magias, ataques e ações dos personagens durante a batalha são dublados! E se isso não parecer interessante o suficiente, temos a jogabilidade que por si só valeria uma checada no jogo: O sistema de luta é lateral, como se fosse um jogo de luta! Você seleciona a estratégia de batalha dos seus companheiros de grupo e as magias que eles podem usar em cada luta e tem total mobilidade com o Cless, podendo is para trás e para frente, bater no inimigo, escolher como vai ser o ataque baseado no comando que usar e escolher uma de suas duas técnicas equipadas no momento (ou com um item especial, pode-se usar qualquer uma delas com um comando estilo os de jogos de luta!). Se isso ainda não parecer interessante o suficiente, o jogo usa o sistema de Comida, onde você pode equipar sua bolsa de comida com alimentos variados (ou combiná-los cozinhando para torna-los mais efetivos) e assim, a cada passo seus personagens recuperarão HP sozinhos aos poucos (porque afinal, eles estão comendo)! Isso tudo e ainda temos de brinde uma história interessante e personagens bastante carismáticos.

Em 2006, este jogo foi traduzido para o português e finalmente lançado no ocidente, para o GBA, mas quem jogou diz que não é lá a mesma coisa (parece que o jogo foi diluído ou algo assim, e a dublagem em inglês é uma grande porcaria) e é uma mistura da versão de SNES com a de Playstation, onde se tem mais uma personagem (Suzu, a ninja). Se me perguntarem qual o jogo mais bonito, ou com a melhor trilha sonora para este console, provavelmente o primeiro que me vem a mente é este, então se alguém que ler isso tiver algum tempinho livre e quiser tentar um jogo novo, este aqui é um excelente começo!

Abertura do SNES cantada:

Jogo: Treasure of the Rudras

Empresa: Square (atualmente, SquareEnix)

Ano: 1996

Imagine um mundo onde toda a terra, o mar e o ar estão poluídos… Tão poluídos que todo o oceano é roxo-acinzentado e o céu a muito tempo não é mais azul. Neste mundo, quatro pessoas são ligadas a quatro jóias especiais que lhes destinam a missões que devem ser cumpridas antes que o mundo acabe a humanidade seja varrida do mapa… O problema é que isto vai acontecer em apenas 15 dias.

Temos então quatro heróis neste jogo… Mas eles só vão lutar juntos no final, enquanto este final não chega, seus caminhos, grupos e objetivos são diferentes. Quando você está completando o cenário de um deles e faz algo grande, quando o jogo com outro grupo chegar neste mesmo dia (os dias são contados no jogo, mas não se afobe, a contagem é baseada na história, não em um tempo simulado de contagem continua) os efeitos da ação do outro grupo podem ser vistos (e algumas vezes, você só vai saber o que exatamente você fez de diferente quando chegar a hora em que outro grupo percebe a mudança e a comenta). Apesar dos protagonistas não estarem juntos o tempo todo, eles se cruzam algumas vezes durante o jogo e sabem da existência um do outro (assim como sabem que o outros também carregam as tais jóias com o desenrolar da história). Visualmente, o jogo é lindo! As batalhas são totalmente animadas, tanto por parte dos heróis quanto por parte dos monstros! A trilha sonora é grudenta e empolgante e os personagens são carismáticos. Mas o maior diferencial deste jogo com certeza é o sistema de Mantras! Este sistema de magia único dentro de toda a história do RPG de vídeo-game permite que você crie a magia que tiver vontade escrevendo a palavra que bem entender (você pode escrever “bunda”, “merda”, “coxinha”, “abóbora”, “jwrehwe”, e cada uma dessas palavras se tornará uma magia nova!), ou para não se perder, pode seguir as magias que o jogo ensina, copiar as usadas pelos inimigos ou criar algo dentro do sistema de elementos e modificar o efeito adicionando prefixos e sufixos encontrados dentro do jogo! Certo que isso te permite magias bastante poderosas logo de cara, mas quero ver seu MP aguenta-las! Dos quatro protagonistas, você só usa três até o final do jogo (Sion, o espadachim em busca de ser o mais forte; Surlent, o mago em busca de conhecimento e Riza, a clériga que quer limpar o mundo) e finalmente na ultima parte, quando os três se unem (e chutam seus companheiros antigos), vem também de brinde Dune, o ladr… caçador de tesouros!

Sendo um jogo bastante interessante, com algumas características de fato únicas tanto em termos de narrativa quanto em sistema de combate, Treasure of the Rudras apesar de ser praticamente desconhecido até mesmo entre os gamers ocidentais que gostam de RPGs de super-nintendo, é provavelmente um dos melhores e mais criativos jogos já realizados pela Squaresoft, e portanto, deveria ser jogado por qualquer admirador do gênero, na minha humilde opinião! 😉

rudra_boxfront1

Acabei de falar sobre os RPGS de SNES que acho fantásticos mas nunca chegaram até o ocidente! Quem quiser saber mais sobre qualquer um destes, pode procurar no Fantasy Anime, ok?

E caso a Jacque passe aqui novamente: Final Fantasy de fato fica complicado as vezes… Um RPG divertido, com um nível de dificuldade mais balanceado que eu recomendo é o Seiken Densetsu 3, até por ser um RPG de ação e por muitas vezes, quando um inimigo começa a apelar muito ser reflexo das ações do jogador em batalha! Secret of Mana (Seiken Densetsu 2) já tem um nível de dificuldade mais complicado…

Anúncios

Quem me conhece mesmo que só um pouquinho sabe que eu adoro vídeo-games! Desde muito novinho sempre me interessei por essas incríveis maquinas de diversão, surrealismo e tendinite! Tenho uma grande paixão por jogos de luta (como um post anterior um tanto popular entre desavisados pode acusar com facilidade), jogos de RPG (principalmente da Squaresoft, ops! SquareEnix), alguns simuladores da EA Games e qualquer coisa colorida, despretensiosa e extremamente divertida que a Nintendo resolva lançar.

Mas este texto não é sobre minha paixão por vídeo-games, este texto é sobre uma força maligna que estupra boa parte das minhas boas memórias de infância envoltas em pixeis! Uma força tão aterradora e destrutiva que se torna quase imbatível e impossível de ser ignorada! Uma força que move milhões e milhões de dólares todos os anos… E o nome desta força é… Hollywood!

O primeiro grande ataque de Hollywood à esta minha paixão se deu ainda em 1993, quando algum infeliz resolveu que Super Mario Bros. Merecia um filme. Certo, temos então aqui dois grandes problemas: Mario Bros. não é realmente um jogo com o roteiro mais inspirado… Encanador italiano gordo entra pelo cano para salvar princesa indefesa de dragão tarado gordo do mal cheio de hormônios e filhos… Sério! Não tem muito mais roteiro do que isso! Embora seja mais que o suficiente para manter um jogo, está muito longe de ser perto do suficiente para manter um filme de 104 minutos! E pronto, com uma explicação bizarra cheia de toques de cyber-punk (devia ser moda na época), violaram com crueldade uma das minhas séries de jogos preferidos.

No decorrer dos anos, Hollywood assassinou outras séries como Double Dragon, Street Fighter (onde também mataram Raul Julia), Mortal Kombat (e a continuação, “aniquilação”… pois é, não precisa ser tão explicito) dentre outras séries até que em 2001 lançaram Tomb Raider estrelado por Angelina Jolie (a mulher que todo-mundo-menos-eu-acha-linda mais famosa do universo), o que colocou novamente os filmes de jogos em evidência. Finalmente em 2002 foi lançado Resident Evil, e assim começou o pega-pra-capar das adaptações de jogos de terror em primeira pessoa.

Talvez o ponto mais engraçado nisso tudo seja a falta de pessoas que acham estes filmes bons, apesar de alguns fãs saírem agradados pela fidelidade dos filmes aos jogos de origem, a grande maioria do público sai incomodada… Os fãs pela falta de fidelidade e respeito… Os não fãs pela falta de qualidade cinematográfica (mesmo Final Fantasy sendo um 3d de ponta para a época e Silent Hill sendo visualmente lindo).

Talvez falte aos produtores enxergarem que assim como nos quadrinhos, o espaço entre os quadros tem um preenchimento imaginário do leitor, no vídeo-game os espaços entre as animações que desenrolam a história se preenchem na cabeça do jogador… Certo, você finalmente encontrou o grande-vilão-do-mal-que-vai-destruir-tudo… É fácil para alguém que passou dias e dias enfrentando os inimigos do vilão sentir a dificuldade do personagem (mesmo que seja meramente simulada), até porque o jogador fez aquilo tudo na pele deste personagem… Mas como passar isso em um filme? O nível de identificação não é o mesmo! A grande maioria dos protagonistas de jogos nem tem personalidade, para cada um se ver neste papel da forma como achar melhor!

Não estou dizendo que não se deve adaptar jogos ao cinema, mas isso deve ser feito com um cuidado ligeiramente maior… Você espancar jacarés virtuais sendo um macaco pode ser divertido, mas nem por isso seria divertido ficar duas horas assistindo o mesmo macaco fazendo a mesma coisa! E por favor, não considerem isso uma sugestão de se fazer um filme de Donkey Kong! Mas tomar cuidado para preencher da melhor forma possível as lacunas nas personalidades dos personagens e no roteiro, lembrando-se sempre que como se tratam de duas mídias diferentes, os apelos são diferentes também… Se aprenderam isso em relação aos filmes de quadrinhos, tenho esperança de que aprenderão em relação aos de vídeo-game também! 🙂

Próximas adaptações: Street Fighter: The Legend of Chun-li – 2009 (outro?!), Far Cry – 2009, Tekken – 2009, Prince of Persia: Sands of Time – 2010, The King of Fighters – 2010 e BioShock – 2010.

Aqui: Lista de adaptações para cinema de jogos

Como muitos devem saber, duas das minhas paixões na vida são: Vídeo-games e Mulheres que Lutam! Resolvi juntar as duas coisas neste post que vocês estão lendo e escrever assim algo SUPER útil para humanidade: Meu TOP 10 de garotas chutadoras de bundas dos vídeo-games! 😀

*10º LUGAR*

Nome: Morrigan Aensland

Série: Darkstalkers

Empresa: Capcom

Estilo de Luta: Algo satânico copiado do Ryu…

Co-protagonista da serie Darkstalkers, a demonia peituda seminua Morrigan teria na serie a importância que Ken tem Street Fighter ou que Iori teria em King of Fighters. Sendo de acordo com o jogo um dos demônios mais poderosos já nascidos, esta belezinha esta muito mais preocupada em cair na balada do que em reinar o submundo. Décimo Lugar por ser estilosa e ter alguns golpes com alta conotação sexual!

*9º LUGAR*

Nome: Charlotte Colde

Série: Samurai Spirits

Empresa: SNK

Estilo de Luta: Esgrima

Charlotte teria nascido na França na época da Revolução Francesa, e a apóia, mesmo sendo da nobreza. Espadachim incrível, a bela loura chega a liderar tropas e se enfia lá na P.Q.P. (a.k.a. Japão) para encontrar a fonte do mal que causava desastres no mundo e dar uma variada no elenco do jogo de samurais sendo alem de uma gaijin (apenas ela e Galford no primeiro jogo), a única que não luta em um estilo oriental. Nono Lugar por ser graciosa e feminina apesar da armadura de macho!

*8º LUGAR*

Nome: Mai Shiranui

Série: Fatal Fury

Empresa: SNK

Estilo de Luta: Ninjutsu

Quem conhece vídeo game pode conhecer Mai, a japa que solta fogo, luta com leque e tem seios enormes! Com sua agilidade, semi-nudez e personalidade cômica, rapidamente ganhou destaque no universo da SNK para se tornar a mulher mais popular da empresa, e possivelmente a segunda mulher mais popular dos games de luta. É obcecada em casar com Andy Bogard e se envolve em torneios para ficar perto do lutador. Pela pouca roupa, carisma e letalidade (Olha! Essa palavra existe!), Mai fica em Oitavo Lugar!

*7º LUGAR*

Nome: Black Orchid

Série: Killer Instinct

Empresa: Nintendo/ Rare

Estilo de Luta: Ballet?

Apesar da série não ter tido muito futuro, uma mulher de collant, que mata o oponente do coração ao mostrar os seios, usa sabres de luz e tonfas como arma e luta algo que se parece MUITO com ballet tem TODO o meu respeito! A espiã gostosona matou Eyedol na história original e em pouco tempo se tornou bastante popular, não só pelo corpão, mas por ser um dos personagens mais psicopatas do jogo se bem usada. Sétimo Lugar por ter peitos literalmente matadores!

*6º LUGAR*

Nome: Hotaru Futaba

Série: Fatal Fury

Empresa: SNK

Estilo de Luta: Kempo

Esta fofurinha luta MUITO! Não se deixe enganar pela carinha de menininha frágil! Entrou em um torneio de artes marciais em busca de seu irmão mais velho (o assassino Gato, que por sinal é feinho) e tem um estilo de luta bem mais suave que o de seu irmão (enquanto ele foca na força, ela foca na agilidade), mas como é o caso de todas as mulheres da lista, Hotaru compensa sua falta de força batendo no inimigo tão rápido que não há como reagir. Sexto Lugar, por ter o especial mais pevertido que um personagem inocente já ganhou em um jogo de luta!

*5º LUGAR*

Nome: Asuka Kazama

Série: Tekken

Empresa: Namco

Estilo de Luta: Aikido e Ginástica Olímpica (?)

Co-protagonista da atual saga de Tekken, Asuka entrou na roda para substituir a personagem Jun Kazama, que morreu no segundo jogo. Ao contrario de sua antecessora, Jun, Asuka é agressiva, arrogante e violenta, lutando apenas por diversão (enquanto Jun tem mais cara de princesa da Disney com treinamento em combate). Quinto Lugar por humilhar os oponentes com um estilo bastante passivo de luta, e combatendo de forma agressiva!

*4º LUGAR*

Nome: Sophitia Alexandra

Série: Soul Edge

Empresa: Namco

Estilo de Luta: Estilo Ateniense

Sophitia foi escolhida pelos deuses para destruir a espada maligna Soul Edge… Para isso ela vai lutar contra um bando de homem bombado, usando uma mini saia, uma armadura mínima, e vai sentar na cara deles como forma de ataque… E ela ainda é mãe! Em Quarto Lugar, porque qualquer mamãe que sente na cara de oponentes na luta e ainda seja considerada um dos personagens mais habilidosos e fortes da serie tem todo meu respeito!

*3º LUGAR*

Nome: Athena Asamiya

Série: King of Fighters

Empresa: SNK

Estilo de Luta: Kung Fu

Certo… Athena é uma cavala! Uma cavala de voz aguda que solta purpurina quando luta e muda de roupa em cada jogo da série! Uma cavala que é cantora de j-pop e tem poderes psíquicos cor-de-rosa! Isto dito, Athena é meio que um dos mascotes da SNK no Japão, sua velocidade, golpes inspirados na escola “ryuênica” de luta e seus combos tornam esta patricinha um dos melhores lutadores da série The King of Fighters. E como se tudo isso não bastasse, ela ainda tem alguns dos especiais mais apelões à certa alturada série, podendo inclusive se curar… E é por isto que o Terceiro Lugar é dela!

Avisando antes que há um empate no segundo lugar!

*2º LUGAR*

Nomes: King e Nina Williams

Séries: Art of Fighter e Tekken

Empresas: SNK e Namco

Estilos de Luta: Muay Thai e Aikido/Koppojutsu

De um lado temos King, a lutadora de Muay Thai francesa que se veste de homem e que você tinha que estourar a blusa com um golpe para ver que era uma mulher. Ela parece homem, bate feito homem, lidera o time das mulheres na série KoF é apaixonada pelo protagonista do AoF, Ryo Sakazaki, solta fireball com as pernas e fica em Segundo Lugar por ser a mulher de KoF que ficou popular mais por bater dolorido e menos por ser gostosa!

Do outro lado temos Nina Williams, assassina gostosa de sangue frio, um dos poucos personagens que participou de todos os Tekkens, ganhou um jogo solo e é considerada por fãs como um dos maiores lutadores da série, usando salto agulha! Fazendo a linha “excelente em nada, bom em tudo”, Nina é um ótimo personagem para dar pancadas fortes, fazer combos, agarrões, agarrões continuados e contra ataques, alem de ter uma tara por explosivos! E empata com King em Segundo Lugar por espancar qualquer um com salto agulha e roupas da moda!

E finalmente, a campeã!

*1º LUGAR*

Nome: Chun-li

Série: Street Fighter

Empresa: Capcom

Estilo de Luta: Tai Chi e Wu Shu

A eterna “Mulher mais forte do mundo” em busca de vingança, Chun-li surgiu como mais uma na série Street Fighter e foi a primeira mulher dos jogos de luta. Alem de ser a primeira, também é a mais popular, sendo um personagem que atravessa as barreiras do gênero em questões de publico, sendo conhecida por qualquer um que jogue vídeo game ou tenha contato com a cultura japonesa. Dona de uma velocidade assustadora, coxas que se comparam apenas as de Ivete Sangalo, golpes especiais semi inúteis e golpes básicos capazes de destruir qualquer oponente com uma boa estratégia, Chun-li fica com todo o mérito em Primeiro Lugar, porque afinal, ela é Chun-li!